quarta-feira, outubro 28, 2009

Será que podemos confiar os nossos filhos aos professores???

Como certamente, alguns de vós já tomaram conhecimento ou foram convidados a aderir ao movimento que se intitula “ Vamos Limpar Portugal”, também eu o fiz.
Quando divulguei a minha adesão, alguém me questionou, se seria também para a limpeza de algumas pessoas. A minha resposta foi imediata “se me conheces que achas?”. É isso mesmo.
Nesta terça e quarta feiras, da semana em curso, tomei conhecimento de duas situações que aconteceram numa das escolas do concelho onde resido, e do qual muito gosto. Em nada dignifica a escola nem o concelho, até porque os senhores professores, cada vez mais apelam aos seus direitos, mas não se fazem respeitar. Que me desculpem, aqueles que estão de pedra e cal, por amor à profissão e tão bem desempenham as suas funções.
Pois é. Vivemos num mundo em que temos de começar a pensar seriamente, se devemos confiar os nossos filhos aos Srs. Professores.
Em plena sala de aula, o professor aponta uma navalha ao pescoço de um aluno, menor, sem que haja motivo para tal. Mesmo que houvesse, nunca o poderia fazer, pondo em causa a sua idoneidade, assim como o seu estatuto de cidadão condigno. Não satisfeito, na aula seguinte puxou os cabelos a uma aluna, sem mais nem porquê. Agora digam-me, pais deste País, o que fariam se isto acontecesse com um filho vosso. O Sr. Professor, neste momento não está na escola, mas também não sei o que lhe aconteceu. Vou aguardar mais notícias e quando souber, fiquem descansados que vos transmitirei.
O segundo caso, também indigno de qualquer ser humano, aconteceu quando uma aluna usava um decote e o professor se aproximou dela e o puxou, na tentativa de lhe ver o peito. Muito sinceramente, se fosse a minha filha, não lhe sobraria um único dente daquela boca.
Vamos limpar este País, não só do lixo que habitualmente consideramos lixo, mas também de quem não é mais do que lixo humano.

9 comentários:

tó vieira disse...

nem mais!

Lina Querubim disse...

Tenho dito!!!!!
Beijokas e espero o filme :p

Natty disse...

Vamos lá limpar a lixeira toda!!!Booooooooooa Cinda, gosto mesmo disso... Haja quem fale alto e em bom som. Sim, porque, por aí há muito quem seja "Sôr" por imposição e isso ás vezes dá raia. Só por usar arma branca, já vai....
Cindita, que tenhas uma boa noite e dorme bem.
Xisinho para ti, para a Guiduxa e para a Ana Sofia.
Natty

IsaLenca disse...

É mesmo!
Querem mudar e limpar as coisas, mas há que começar pela limpeza, neste caso, lixeira humana. Só assim tudo o resto pode melhorar!

Madalena disse...

Há 34 anos que sou professora. Já passei por muitas reformas, já passei por algumas escolas, já vivi muito a escola e apenas estive afastada durante o período da cirurgia e da radioterapia. Regressei cedo ao trabalho, porque gosto do que faço. Claro que sou imperfeita. Todos temos as nossas imperfeições. Nunca perdi a cabeça com nenhum aluno. Estou a falar com o coração nas mãos: NÃO ACREDITO que estas situações relatadas se tivessem passado de modo tão linear como estão relatadas. Assim como há polícias corruptos, tenho de admitir que pode haver professores cujo comportamento seja completamente aberrante. Mas será que vale a pena questionar deste modo a nossa profissão: Será que podemos confiar os nossos filhos aos professores??? A ser verdade, estamos perante a excepção. Se não os entregarem aos professores, vão entregá-los a quem? Lamento, Cinda, que este post tenha este título. A generalização é sempre perigosa. Somos de carne e osso como os outros, temos nervos que não são de aço, mas a escola não é um professor. Eu posso garantir a todos os que me lêem: podem confiar-nos os vossos filhos e juntos, nós e vós, podemos oferecer-lhes um futuro à medida da cidadania que todos merecemos.
Que corra tudo bem contigo, Cinda!

Cinda disse...

Olá Madalena. Como disse no texto, não são todos os professores que se comportam deste modo. Eu também estive desse lado e abandonei, por achar não ser capaz de realizar o meu trabalho com coração e como deveria ser. Mas tive essa consciência. O que eu lamento é que as pessoas que tiram os seus cursos, vocacionados para determinadas áreas, apenas procurem a actividade de leccionar, porque na maioria dos casos é a mais cómoda.
Poderei ter sido um pouco drástica no título, mas quando estamos perante situações vividas quase no momento, reagimos, ou e, escrevemos tudo o que nos vem à flor da pele.
Estas situações não aconteceram com a minha filha, como disse, mas conheço os professores, pois já passaram por ela e não foi fácil.
Ambos já foram chamandos à pedra e continuaram na escola sem que nada lhes tivesse acontecido, porque os alunos e pais que se queixaram eram de classes muito baixas.
Lamento sinceramente o que aconteceu e o que já tem acontecido com outros professores, mas também tive o cuidado dizer que não são todos, felizmente.
Nunca foi vontade minha ter a minha filha em colégio, porque ainda me lembro da má receptividade que tive quando ingressei no oficial, mas também, porque lhe quis ensinar que os meninos são todos iguais e nós que temos um bocadinho mais, a todos os níveis, podemos dar aos outros para que tudo possa ser melhor. Felizmente isso aconteceu e hoje ela sabe lidar com todos, e todos sem excepção, gostam dela.
Madalena, desde que a Sofia nascveu até hoje, sempre fiz parte das associações de pais e os representei a vários níveis. Muitas vezes, nós pais, quisemos fazer coisas em conjunto com os professores para que se a interacção fosse maior, e foram sempre os professores que se afastaram, porque não queriam perder o seu tempo, além do período do horário normal.
Em 17 anos, já apanhei de tudo, a nível de professores, daí eu voltar a salientar que não são todos FELIZMENTE. Peço desculpa a quem faz o seu trabalho condignamente, mas mantenho o título do post.
Obrigado Madalena, por ter comentado, pois o intuito do post, é para ouvir o que cada um tem a dizer. Infelizmente só comenta, quem não tem nada que se aponte.
Um beijo do tamanho do mundo e tudo de bom.
Havemos de nos encontrar um destes dias.

Gatapininha disse...

Olá Cinda
Também eu sou professora, e sou a primeira a dizer que se deve fazer alguma coisa quando algo corre mal. Se as histórias são veridicas, têm que apresentar queixa ao Director e depois verem esclarecidas as dúvidas.
Mas também sei que os meninos inventam histórias e por vezes exercem pressão nos colegas para que estes corraborem essas histórias.
Tal como a Madalena, também acho o titulo alarmista, mas esta é uma profissão muito exposta e especial e basta um mau exemplo para que se façam generalizações. Quanto a mim, eu continuo a acreditar nos professores, tenho total confiança nas professoras das minhas meninas e como professora considero-me excelente (modéstia à parte), apesar de nunca o vir a ser com este sistema de avaliação, pois tenho que faltar, por vezes, por motivo de doença.
jokas

Cinda disse...

Olá Sandra. Estas histórias são verdadeiras e as queixas já foram apresentadas. Já não são de agora que estas situações acontecem com estes professores. Por vezes a ignorância e o medo de retaliações, faz com que se vá deixando andar as coisas. Também sei que a maioria dos professores são exemplares e não se aplica o título do post, mas a minha intenção é mesmo chamar a atenção de quem cometeu os erros, pois sabem bem quem são.
Beijocas grandes.
Tudo de bom.

Anónimo disse...

Verdade é que existe muito lixo pra limpar! Mas o barrete só serve a quem serve!