domingo, dezembro 23, 2012

Era uma vez o Natal...




A vida é feita de momentos bons e menos bons. Nem sempre estamos predispostos a viver cada um desses momentos, e sem que nos apercebamos, entramos em estados menos agradáveis e quase de desespero.
Estes últimos meses, têm sido para mim um bocado difíceis de digerir, não porque me possa queixar de mim, mas porque ao meu redor, amigos e familiares têm estado menos bem e tudo isso me entristece.
A vida é cada vez mais difícil de ser vivida com o mínimo de dignidade, porque o poder se vai agigantando na mão de quem não sabe nem sente a realidade da maioria da população.
As crianças não têm que comer, os idosos não podem continuar a sobreviver condignamente porque deixaram de ter como pagar as suas medicações, os jovens têm que abandonar o seu País, porque não lhes é dada a possibilidade de o fazer crescer, tornando-se grandes profissionais, reconhecidos no estrangeiro.
As doenças são cada vez mais e o maldito inimigo vai proliferando e destruindo os meus amigos, roubando-lhes a vida e a vontade de lutar.
Hoje sinto-me triste, porque  há amigos que choram e outros me decepcionaram ao longo deste Ano.
É Natal, ninguém pode negar, mas certamente muito triste para muitos e muitos Portugueses.
Que todos os dias do Ano sejam Natal.


quarta-feira, outubro 03, 2012

Outubro mês de consultas. A prevenção é o melhor tratamento.


 
 
Mais uma quarta-feira, mais uma visita ao meu "Querido Hospital".

Hoje foi dose dupla, pois além da fisioterapia, houve consulta de rotina em oncologia. Ainda há cerca de um mês lá tinha ido, mas não havia os resultados de todos os exames e também foi pedida uma nova densitometria, já que as dores no esqueleto me têm andado a incomodar e a fazer das suas. Ora bem. Os ossos mantêm-se fracotes e lá terei que continuar a tomar o comprimido mensal, o cálcio todos os dias e andar o mais possível, quando o meu pé estiver recomposto.

A mamografia sem nada de especial a comparar com o ultimo estudo, no entanto na mama reconstruida identificam uma pequena quantidade de líquido envolvente, tendo por essa razão que fazer uma ressonância para verificarem do que se trata concretamente, tendo-lhe atribuído uma classificação de BI-RADS: 3. Também foi feita ecografia a um nódulo na coxa esquerda, podendo ser apenas um lipoma, mas que terá de ser vigiado. Quanto ao resto, tudo normal, mais uma cintigrafia para tirar dúvidas dos ossitos e dia 8 de Novembro volto lá novamente. Parece que gostam de mim naquela casa e querem-me ver por lá mais vezes.

E para já não há muitas mais novidades para além de o fresquinho do Outono me ter trazido uma crise de sinusite, a qual já está a levar uma sova daquelas!

Vou passando, para dar mais notícias e contar histórias das nossas guerreiras.

 

 

quinta-feira, agosto 23, 2012

Férias

Já estou oficialmente de férias após seis anos e acreditem que é muito diferente.
Boas férias para mim e para quem gosta de mim.

domingo, julho 22, 2012

Duas semanas de trabalho......

Já lá vão duas semanas de uma nova vida, após o renascer e tudo tem corrido pelo melhor.
Claro que tem havido muitos momentos em que as forças são menos e tomo consciência de que já nada é como era. A Capacidade de concentração e a destreza com que se faz as coisas já não é a mesma. Nestes anos, muita coisa mudou a nível de serviços e muito há para aprender. Tudo vai correndo bem e com a devida calma.
Quanto aos colegas de trabalho, nada a apontar.Colaboram a 100% e sempre disponíveis para ajudar.
É muito bom ouvir das pessoas que me vêem de novo no meu serviço, darem-me os parabéns e felicitarem-me pelo regresso.
As coisas estão a correr bem, mas acreditem que também estou ao mesmo tempo desejosa pelas férias.
E esta!!!! Vá-ase lá saber porquê!!!!

domingo, julho 08, 2012

Nada acontece por acaso................................



Faz hoje seis anos que tive alta do hospital, depois de me amputarem uma mama e esvaziarem a axila, deixando o meu braço direito com muitas e grandes limitações. Ainda me lembro como se fosse ontem, a cara dos meus amigos à minha espera, em casa da minha mãe, com um ar terrível sem saber o que me haviam de dizer e como me iriam encontrar. Ainda envolvida em pensos e ligaduras, com o braço muito atrofiado, dois drenos a deitar linfa e sangue à mistura metidos num saco e presos no sinto das calças ainda nº 36, que saudade, mas com uma disposição de quem ia para a festa. O tempo passou tão rápido e sempre com uma Fé e uma Esperança que me fez e faz estar agora a cortar-vos como me sinto.

Seis ciclos de quimioterapia, da dura, cinco anos de hormonoterapia diariamente, cinco anos de injeção para provocar a menopausa, ainda sem resultados oficiais, fisioterapias umas seguidas às outras para que o braço tentasse voltar ao normal e não fizesse edema, três cirurgias para a reconstrução da mama amputada e um cem número de consultas, exames, análise e não sei mais das quantas……aqui estou eu com uns bons quilitos a mais, osteoporose de uma mulher com mais de 80 anos, dores nos ossos, a visão já com uns auxiliares, mas nem por isso deixei de ter sempre a boa disposição que me caracteriza e o otimismo para com a vida.

Isto tudo para vos dizer que amanhã retomo a minha atividade profissional, com as limitações que a doença me provocou e vou tentar dar o meu melhor dentro das minhas possibilidades. Não tenho ilusões quanto às minhas forças, mas não custa nada tentar sem antes tomar outra decisão. Pois é, seis anos após o dia da alto hospital. Nada é por acaso!!!!!

Fiquem  atentos eu vou dando notícias de como as coisas vão correndo, pois as consultas, análises e fisioterapias ainda continuam e não me vou esquecer nunca, de quem tanto me ajudou e me deu força nestes anos menos bons e menos fáceis.




terça-feira, junho 19, 2012

Vamos ajudar o MATEUS



Desde ontem à tarde, quando li a mensagem do meu amigo Pedro, o meu coração ficou apertadinho e a minha cabeça não parou nem mais um segundo. Talvez por me conhecer minimamente, saber  quanto sou persistente e teimosa,  ele o fez.
Meus amigos, muitas são as histórias muitas vezes se partilhadas nas redes sociais e nada teem de verdadeiro um muito pouco, daí muitas dúvidas ficarem sempre a pairar quando lemos algo de alguém que não é figura pública.
O Mateus efectivamente não é figura pública, mas é um menino real, que está a viver uma situação muito real e aqui tudo o que se possa fazer é por bem e em prol de uma causa leal e justa. Eu já falei com o pai do Mateus que é colega do meu amigo Pedro. Estamos todos a colaborar para, o regresso a casa que foi hoje, seja uma nova etapa e possa fazer a sua recuperação com todas as condições.
Não é preciso estar a escrever mais nada, apenas peço que leiam o que a mãe do Mateus escreveu:

O Mateus era uma criança normal (alegre, traquina, carinhoso, a alegria da nossa casa) até ao passado dia 16 de fevereiro. Nesse dia, tudo mudou. O Mateus teve uma convulsão que demorou cerca de 2 horas a ser controlada pelos médicos do Hospital São Sebastião.
Todos os exames médicos efectuados nesse dia e nos dias seguintes não mostravam nada de anormal. As análises que foram efectuadas mostravam que o Mateus não estava doente, mas o seu estado clinico não. Nos dias seguint...
es o estado do Mateus agravou-se de tal forma que deixou de conseguir respirar sozinho e por volta das 23:00 horas do dia 21 de Fevereiro foi-lhe induzido o coma e feita a transferência para os cuidados intensivos do Hospital Maria Pia. (às 23h desse dia foi a ultima vez que ouvi o meu filho chamar Mamã).
No dia 16 de março, após ter sido levantado o coma, foi-lhe retirado o ventilador e ele recomeçou a respirar por ele próprio, durante todo este tempo foram realizados dezenas de exames ao Mateus mas apenas a Ressonância mostra lesões no cérebro, todos os outros exames indicam que está tudo normal.
No dia 25 de maio festejou o seu terceiro aniversário e como prenda teve direito a saborear a sua guloseima preferida, musse de chocolate.
Neste momento, e apesar dos médicos pensarem que ele poderia ficar confinado a uma cama, sem poder falar, comer, sentar, andar, etc., o Mateus já consegue comer, sorrir, rir, tenta brincar com as mãos, vê o “Ruca” com atenção, senta-se com apoio de uma cadeira própria, e com muita dificuldade e raramente diz Mãe, Mamo, Não e É.
Todos estes progressos do Mateus têm provado que ele é um lutador e que quer recuperar e voltar a ser o menino brincalhão, traquinas, alegre, dançarino, corredor, refilão que era antes de todo este pesadelo.
Hoje, dia 16 de junho, passaram 4 meses de sofrimento, e começa o processo de reintegração do Mateus em casa, pois os médicos acham que ele pode recuperar melhor no seu ambiente familiar, e eu concordo plenamente com eles.
Se por um lado voltar a casa vai ajudar bastante, por outro lado existem condicionantes que podem interferir na sua recuperação pois são necessários tratamentos de neuro-fisioterapia, terapia da fala, terapia ocupacional, hipoterapia, etc., e também diversos equipamentos para o dia-a-dia do Mateus (cadeira para banho, cadeira de rodas, cadeira de automóvel, cadeira de posicionamento, standing frame, talas para endireitar os membros, etc.), equipamentos estes que por serem muitos especiais se tornam demasiado dispendiosos e nós Pais não conseguiremos comprar algum deste material para permitir ao Mateus lutar contra esta doença e proporcionar-lhe alguma qualidade de vida, uma vez que a aquisição dos mesmos ultrapassa os vinte mil euros.
Relembro que ainda não há diagnostico para a doença do Mateus, mas vamos procurar por todos os meios que nos forem possíveis obter uma resposta mas não podemos, ao mesmo tempo, deixar de ajudar na recuperação do nosso Menino.
Por isso peço a todos os que queiram ajudar o Mateus, a vencer esta luta e a ter um bocadinho mais de qualidade de vida, que divulguem esta mensagem junto dos vossos amigos.
O seu contributo com uma “gotinha” basta para nos ajudar a criar este oceano de esperança!

Obrigada a todos por tudo o que fizeram e seguramente continuarão a fazer por nós e pelo Mateus.

Cláudia Dias Ferreira

NIB 0035 0558 00041861000 88
IBAN PT50 0035 0558 00041861000 88
BIC SWIFT CGDIPTPL

terça-feira, junho 12, 2012

Força Grandalhona

Se me é permitido opinar, em matéria que me é familiar, muito tenho a dizer depois dos comentários que li no blogue de uma Grandalhona, que nada tem de derrotista nem de não lutadora. Talvez até fosse mais correto comentar no espaço que lhe pertence, mas na realidade o que quero mesmo é que todos saibam, que ELA não é de baixar os braços e não são comentários, como os que li sem identificação, e que sou contra, a vão fazer desistir.
Somos mulheres, a quem um dia, o céu caiu em cima como se de uma trovoada incontrolável se tratasse e o pior do mundo não tivesse solução. Vivemos um dia de cada vez, sempre como uma roleta russa, mas não desistimos nunca de o fazer. Não pertencemos a ceitas, instituições ou coisas parecidas, apenas tivemos e temos cancro da mama, ou de outra coisa qualquer por consequência de um outro, ou porque sim.
Não baixamos os braços, não dizemos não à vida, lutamos e queremos viver e ver os nossos filhos crescer, independentemente do que possa existir para lá da vida. Todas sabemos que não vamos viver eternamente, mas queremos prolongar a nossa estada por aqui. Não é fácil para ninguém, mas mais difícil será se nos entregarmos sem luta.
Eu tive cancro de mama e não me era nada favorável o prognóstico até terminar os tratamentos mais agressivos e não foi por isso que baixei os braços, muito pelo contrário. As sequelas ficam, isso não podemos negar, mas muita coisa boa nos trouxe e muitas amigas e partilhas se conquistaram. Os blogues e os grupos que se foram criando são a prova evidente da força que conseguimos transmitir e o apoio incondicional e sem interesses.
Grandalhona, gostei do que li no teu último poste. Claro que não vais DESISTIR nunca, porque somos muitas a dar nessa carola.
Ao ANÓNIMO, deixo o desafio de acreditar em quem pode e quer fazer com que consigamos continuar vivas. Viver é bom, mas temos de ter VONTADE DE VIVER

sexta-feira, maio 18, 2012

Mais uma estrelinha no céu

Não esperas-te pela minha gelatina e já não conversámos como combinado.
Vou guardar sempre o teu sorriso, quando brinquei com o teu tesouro.
Não te deixaram sofrer porque não merecias.
Descansa em Paz * G - - - - - - A.

quinta-feira, maio 17, 2012

Mas porquê??? Ainda continuo a perguntar .......

Estou sentada em frente ao computador faz algum tempo e não sei como começar a escrever o tanto que tenho para contar e deitar para fora toda a revolta que sinto contra o sistema de saúde que temos.
Há um ano e meio a G_ _ _ _ _ _  _ teve o seu terceiro filho, uma menina linda e saudável. Como muitas mulheres, o mamilo não estava saliente para que pudesse amamentar e foi-lhe retirado o leite através da bomba, onde nessa altura houve sangramento. As coisas ficaram por ali mesmo. O tempo foi-se passando e o mamilo continuou invertido.  O seu estado de saúde não era lá muito famoso, sempre com uns enjoos, umas indisposições , mas nada que fizesse pensar o que se viria a concluir. Fez endoscopia, e nada havia de anormal. Uma noite sentiu um nódulo no peito direito, levantou-se e foi fazer a palpação, qual o seu espanto igual estava o esquerdo. Foi ao médico que a encaminhou para a consulta de senologia da sua área onde foi vista p+ela especialista que pediu uma biopsia com a máxima urgência, tendo a mesma sido marcada para cerca de 20 dias depois. INADMISSÍVEL. Como infelizmente o factor C continua a prevalecer,  e nestas situações graças a Deus, no dia seguinte foi fazê-la num outro hospital. Resultado: Grau V bilateral.
Os tratamentos foram logo iniciados após consulta de grupo e na passada sexta-feira, foi o primeiro que a deixou completamente de rastos, pois o fígado está demasiado afectado para suportar a agressividade da medicação.
Ontem quando a fui visitar, estava a chegar do hospital, pois a noite tinha sido muito violenta e tiveram de lhe extrair cerca de 6 litros de líquidos do abdómen. Estava de rastos mas sempre com um sorriso para a pequenina que acara de chegar do infantário, feliz por ver a mãe e satisfeita porque lhe estávamos a contar histórias e até deixei brincar com o meu telemóvel, cair no chão, ficar todo estrambulhado e ainda fazer brincadeira com tudo aquilo.
Escusado será dizer que lhe dei a maior força, pois por lá já tinha passado e já nos conhecemos há anos e até já fomos quase vizinhas.
Hoje quando lá voltei para lhe fazer um bocadinho de companhia e transmitir mais alguma energia, já tinha voltado de novo ao hospital, menos bem que ontem, e para ficar internada.
Precisamente SEIS ANOS depois de eu saber que tinha um cancro, a revolta contra todo o sistema de saúde e as negligências que se vão aglomerando perante a ignorância do comum do cidadão.
Só sei que, não sei se voltarei a falar com a G _ _ _ _ _ _ _  !!!!!!!!!!!

quinta-feira, maio 10, 2012

Linha da Frente - Informação - Actualidades RTP 1 - Multimédia RTP

Linha da Frente - Informação - Actualidades RTP 1 - Multimédia RTP

Ontem a RTP transmitiu mais um dos seus programas "Linha da Frente".
Desta feita, dedicado ao cancro da mama e como é tratado na Maternidade Alfredo da Costa.
Foi bem elucidativo, do que é para uma mulher e para a sua família, quando o cancro lhe bate à porta.
Espero que os Srs. Drs. das juntas Médicas, que tantas vezes mandam as mulheres trabalhar, porque ter tido cancro não as incapacitou, tenham visto e ouvido os médicos, as enfermeiras, as psicólogas e as pacientes falarem e tenham finalmente tomado consciência do que o cancro de mama pode fazer a uma mulher.
 Os cancros não são todos iguais e a sequelas dele resultantes, também não. É necessário que as análises sejam feitas convenientemente e não tratar as pessoas como números.
Vou acreditar que tenham visto e ouvido.

quinta-feira, maio 03, 2012

Quem espera desespera...............

Quem me conhece minimamente, sabe que sou uma mulher persistente e que não me dou por vencida quando me dizem que não tenho direito a isto ou aquilo. Mais uma vez este ano, ainda ando às voltas com a “bolsa de estudo” da minha filha. Como já era de esperar, veio novamente indeferida, porque continuam a não fazer as coisas como devem ser e a não elucidar quem as tem que fazer devidamente, ou também não estão para estar com esse trabalho.


Este ano, ainda foi mais grave a razão do indeferimento: dívidas para com a segurança social e acima do limiar de pobreza.

Acreditem que me apeteceu dar umas boas gargalhadas, eu que nem desconto para a segurança social e no limiar da pobreza, certamente não ia conseguir ter a minha filha na faculdade a 30km de casa, pagar transportes, alimentação e tudo o mais que temos para pagar com um estudante universitário. Lá tive que voltar a apresentar toda a papelada, provar que desconto para a CGA e ainda perder duas manhãs na segurança social para passarem uma declaração como nada devia.

Posto isto, toda a documentação foi enviada no devido site, com a indicação do porquê do recurso apresentado. Isto ocorreu a 30 de Janeiro de 2012, desde então nada foi dito por parte dos serviços sociais da faculdade, tendo eu sempre o cuidado de ir vendo a situação, estando a dita “bolsa de estudo” sempre em análise e as cadeiras todas feitas, notas afixadas, no mínimo estranho, achei eu.

Na passada segunda feira, a rapariga lá foi para estágio com tudo direitinho e a meio da tarde, recebe um telefonema da secretaria a pedir que fosse com a maior urgência entregar a documentação.

Hoje ao fim de, quase cinco horas, lá consegui entrar em contacto com a pessoa responsável pelo processo e agendar para amanhã às 11,00h.

Fiquemos a aguardar o desfecho……….

ps: o segundo ano já está feito e ainda não sabe se será bolseira ou não.

quarta-feira, abril 25, 2012

Eu vou continuar a acreditar

Trinta e oito anos depois, de um 25 de Abril com cravos e conquistas de liberdades, eu quero continuar a acreditar, que ainda há esperança de termos uma vida melhor. Viva o 25 de Abril.

quinta-feira, abril 12, 2012

Rosa Esperança, a sua última exibição

A Laço dia-a-dia: Rosa Esperança prepara-se para aquela que será a s...: Rosa Esperança , projecto "Mulheres e o cancro da mama" prepara-se para aquela que será a sua ultima apresentação! Esta última apresentação...

quarta-feira, março 21, 2012

A Cegonha vem a caminho....




A vidinha vai rolando e a saúde vai ajudando. A Primavera chegou em força e os corpos sentem-se com as diferenças bruscas de temperaturas, mas continuamos a viver a vida e a rir com vontade.


Apesar de andar um tanto afastada destas lides dos blogues, não deixo de passar e ler o que as amigas vão postando, muitas vezes sem deixar comentários. A interacção no momento do facebook, fez com que os espaços de partilha da blogoesfera, ficassem um tanto mais pobres.

Na passada segunda-feira, encontrei uma guerreira que lutou contra o bicho na mesma altura que eu e estava super feliz porque está grávida. O cancro alterou os seus planos de vida aos 31 anos, com o casamento marcado e uma vida cheia de projectos. Superou, está linda, com uma reconstrução perfeita e tenho a certeza que vai ser uma mamã muito bonita.

Não hesitei em lhe dar o endereço do meu blogue e de lhe falar nos nossos queridos “sobrinhos” nascidos de duas gravidezes após as nossas guerreiras Isa e Loulou, terem derrotado e vencido o malvado.

A partir de agora temos mais uma guerreira que por aqui vai passar com frequência, para ir sabendo das novidades, assim como eu virei dar notícias da cegonha. Há que passarem por este cantinho e dar a maior força à P_ _ _ _.

quinta-feira, março 01, 2012

Mais uma cirurgia e tudo sempre pelo melhor

Depois de uma noite, menos bem dormida, o que é normal na véspera de cirurgia, lá fui até ao Hospital da Harrábida.
Desta feita, sem bagagem, porque foi em ambulatório. Cinco anos e meio após a remoção da minha mama, está finalmente a chegar ao termo a sua reconstrução. Hoje foi dia de fazer o mamilo, mais uma vez, pelas mãos do Dr. António Conde.
Foi uma cirurgia rápida, com anestesia local e como não podia deixar de ser, sempre a je na conversa.
Muitas perguntas, querer saber tudo e como se faz a reconstrução com as amigas, que tendo uma pele menos boa um danificada pela rádio terapia, também podem voltar a ter a sua mama. Ainda conversámos sobre a presença do Dr. António no programa da Fátima Lopes onde esteve ontem, oferendo o seu trabalho a uma jovem, para que possa recuperar a sua auto estima.
Dez horas da manhã já tinha alta e como sempre a conversar e a animar as pacientes que estavam no recobro e as que estavam para entrar no bloco.
Nove horas da noite e tudo pelo melhor. As dores, nem por isso, apenas o cuidado necessário para que tudo continue bem e fique super perfeito, como diz a minha fisioterapeuta que assistiu á cirurgia.

http://www.antonioconde.net/

domingo, fevereiro 12, 2012

12 de Fevereiro


Nem sempre é fácil estar com disposição para brincar ao Carnaval. Hoje cheguei a pensar que não me estava a conhecer, ao fim de tantos anos. Pois é. A vida por vezes faz com que não nos apeteça rir, brincar, saltar e até mesmo falar com quem habitualmente estamos. Hoje o dia foi assim. As notícias cada vez mais desanimadoras em relação ao futuro da humanidade, as notícias menos boas de amigos mais próximos e esta tosse que não me deixa descansar, fez com que me desse ao frio e ficasse o dia no sossego e na sorna.
Amanhã será um novo dia, o sol vai brilhar e de manhã bem cedinho o dia vai começar e tudo volta ao normal.
A vida é mesmo assim e por vezes há necessidade de parar um bocadinho para revigorar as energias.
Um boa semana e uma força muito especial para uma guerreira, nossa amiga, que esta semana vai precisar de todas as nossas energias.


sexta-feira, fevereiro 03, 2012

Porque hoje estou assim...sei lá !!!

Nem sempre é fácil viver em harmonia. Cada vez mais, quem nós pensamos que estamos a ajudar, estamos a criar um inimigo ou um menos amigo, se esta expressão existe. As novas tecnologias fizeram com que nestes últimos 4 anos, tivesse conhecido muitas pessoas, com as quais me identifiquei e identifico, sendo como a minha segunda família. No entanto, também outras houve que me decepcionaram e por quem tenho um grande carinho. Por vezes chego a pensar se a culpa será minha? Sei que não tenho o meio-termo, ou gostam de mim ou não gostam. Não sou capaz de dizer que gosto quando não gosto, não sei dizer sim quando acho que é não, não consigo bater com a mão nas costas quando devo dar um estalo. Talvez por tudo isto e pela minha directa sinceridade, sou apelidada de fria e invejosa. Hoje eu sinto-me triste, porque não me conhecem nem tentam tão pouco fazê-lo. Hoje, tomei a decisão de deixar que cada um caminhe por si e só vou ajudar se o solicitarem. Cansei de dar de mim, de pensar tanto nos outros e esquecer que eu também existo e tenho uma vida para viver. Um dia, numa consulta de psiquiatria em que eu estava menos bem, o Sr. Dr. Disse-me: Lucinda, deu a volta a toda a situação com muita força e conseguiu, não se deixe envolver com as situações das amigas, quando não querem aceitar a sua ajuda, porque vai ficar mal. Eu não quis acreditar, mas cheguei à conclusão que ele tem razão. Não sei se este texto terá sentido para alguém hoje, ou se alguém se sentirá ofendido com ele, mas este espaço é meu e nele escrevo o que sinto para que todos, sem excepção, possam ler.


Continuo aqui e onde sabem que me podem encontrar, continuo a Cinda de sempre com saudades dos momentos de partilha pela partilha, dos encontros sem grupos nem clubes, dos abraços sentidos e divertidos, de tudo o que nos uniu e nos identificou. Porque hoje estou assim …sei lá!!!!!!

sexta-feira, janeiro 20, 2012

Ver movimentos :: O Meu Movimento :: Governo de Portugal

Ver movimentos :: O Meu Movimento :: Governo de Portugal

Vamos todos participar e lutar por uma causa que é nossa.
Só temos deveres???? E os direitos que nos são devidos onde estão????
Todos juntos somos mais fortes.

terça-feira, janeiro 10, 2012

Balanço

O tempo passa e quase não damos conta. Cinco anos já lá vão desde a minha última quimioterapia e ainda tudo está tão vivo na minha memória como se fosse ontem.

Foram cinco anos de luta contra um inimigo que teimava em derrotar-me, mas que teimosa e casmurra como sou, não lhe fiz a vontade. Certo é, que apesar de terem passado os tão falados “cinco anos”, nada é dado como certo e apesar da força e da grande Vontade de Viver sempre fica a dúvida...

Este espaço de desabafos e onde vim buscar forças e transmitir outras, tem estado paradinho, não fosse o tão famoso Facebook que nos faz “perder” algum do nosso tempo, e abandonar sem querer outras publicações, por vezes mais úteis e abertas a todos que procuram apoio.

Vontade de Viver, iniciou-se no dia 26 de Dezembro de 2007, ano e meio após tudo ter começado e quando tive a noção exacta, por tudo o que tinha passado e quanto podia ser útil a outras mulheres a minha experiência de luta contra o cancro de mama. Durante esse tempo, fui procurando respostas junto de outros blogues e amigos médicos que sempre me apoiaram e me deram a maior força. As dúvidas eram muitas e não queria alarmar a família e alguns amigos, tendo por isso ficado um tanto fechada e lutado comigo mesma, para encontrar as respostas para o que me estava a acontecer. A minha filha tinha apenas 13 anos e precisava muito da mãe e nunca aceitou a possibilidade da não superação da minha doença. Quando tudo estava dado como estabilizado e depois de quase conhecer pessoalmente todas as bloguistas, que hoje são as minhas Grandes Amigas, abri a minha vida para elas e para quem me quisesse ler e aceitar a minha ajuda. Nunca fui mulher de baixar os braços, há sempre uma solução para tudo quando a vontade é grande e gostamos de nós e da vida.

Durante estes cinco anos, conheci pessoas fantásticas, dos mais diversos estratos sociais, mas para mim todas elas têm o mesmo valor, porque o que interessa é o seu interior.

Chorei de tristeza e de alegria. Gritei de dor, de raiva e de liberdade. Partilhei momentos bons e menos bons. Disse coisas bonitas e menos bonitas, mas não deixei nada por dizer.

Rosa Esperança, deu-me a possibilidade de conhecer pessoas lindas que vão ficar sempre comigo, no meu coração e fez com que eu voltasse à minha terra natal, Santarém. Foi, e é, uma experiência que me enriqueceu como pessoa e me deu a possibilidade de partilhar a mensagem de que há vida para lá do cancro. Foram vários os programas de televisão em que pude partilhar essa mensagem, sozinha ou com as amigas, as manifestações de carinho foram muitas e obrigada a todos sem excepção.

Este blogue trouxe-me muitas Amigas “As Amigas do Peito e do Coração” e momentos inesquecíveis que vou querer continuar a ter até ser velhinha. Fui apelidada de muitos nomes, o que já estou habituada, pois até as crianças acham que a Cinda ainda não cresceu! Neste último ano, a vida pessoal tem sido mais atribulada e menos tempo dedicado a este espaço que muitos procuram, mas prometo que vai ficar mais preenchido e mais enriquecido de hoje em diante. Vou dedicar-me mais às mais novas nesta, luta e que precisam sempre de uma força e estou disponível para ajudar, mesmo aqueles que nestes últimos tempos me desiludiram, porque tenho a certeza que ainda precisam mais de ajuda.

O texto já vai longo e o dia está lindo. Vou dar um passeio até ao meu mar, para receber mais uma lufada de energia positiva neste dia frio e de sol de inverno.