terça-feira, junho 19, 2012

Vamos ajudar o MATEUS



Desde ontem à tarde, quando li a mensagem do meu amigo Pedro, o meu coração ficou apertadinho e a minha cabeça não parou nem mais um segundo. Talvez por me conhecer minimamente, saber  quanto sou persistente e teimosa,  ele o fez.
Meus amigos, muitas são as histórias muitas vezes se partilhadas nas redes sociais e nada teem de verdadeiro um muito pouco, daí muitas dúvidas ficarem sempre a pairar quando lemos algo de alguém que não é figura pública.
O Mateus efectivamente não é figura pública, mas é um menino real, que está a viver uma situação muito real e aqui tudo o que se possa fazer é por bem e em prol de uma causa leal e justa. Eu já falei com o pai do Mateus que é colega do meu amigo Pedro. Estamos todos a colaborar para, o regresso a casa que foi hoje, seja uma nova etapa e possa fazer a sua recuperação com todas as condições.
Não é preciso estar a escrever mais nada, apenas peço que leiam o que a mãe do Mateus escreveu:

O Mateus era uma criança normal (alegre, traquina, carinhoso, a alegria da nossa casa) até ao passado dia 16 de fevereiro. Nesse dia, tudo mudou. O Mateus teve uma convulsão que demorou cerca de 2 horas a ser controlada pelos médicos do Hospital São Sebastião.
Todos os exames médicos efectuados nesse dia e nos dias seguintes não mostravam nada de anormal. As análises que foram efectuadas mostravam que o Mateus não estava doente, mas o seu estado clinico não. Nos dias seguint...
es o estado do Mateus agravou-se de tal forma que deixou de conseguir respirar sozinho e por volta das 23:00 horas do dia 21 de Fevereiro foi-lhe induzido o coma e feita a transferência para os cuidados intensivos do Hospital Maria Pia. (às 23h desse dia foi a ultima vez que ouvi o meu filho chamar Mamã).
No dia 16 de março, após ter sido levantado o coma, foi-lhe retirado o ventilador e ele recomeçou a respirar por ele próprio, durante todo este tempo foram realizados dezenas de exames ao Mateus mas apenas a Ressonância mostra lesões no cérebro, todos os outros exames indicam que está tudo normal.
No dia 25 de maio festejou o seu terceiro aniversário e como prenda teve direito a saborear a sua guloseima preferida, musse de chocolate.
Neste momento, e apesar dos médicos pensarem que ele poderia ficar confinado a uma cama, sem poder falar, comer, sentar, andar, etc., o Mateus já consegue comer, sorrir, rir, tenta brincar com as mãos, vê o “Ruca” com atenção, senta-se com apoio de uma cadeira própria, e com muita dificuldade e raramente diz Mãe, Mamo, Não e É.
Todos estes progressos do Mateus têm provado que ele é um lutador e que quer recuperar e voltar a ser o menino brincalhão, traquinas, alegre, dançarino, corredor, refilão que era antes de todo este pesadelo.
Hoje, dia 16 de junho, passaram 4 meses de sofrimento, e começa o processo de reintegração do Mateus em casa, pois os médicos acham que ele pode recuperar melhor no seu ambiente familiar, e eu concordo plenamente com eles.
Se por um lado voltar a casa vai ajudar bastante, por outro lado existem condicionantes que podem interferir na sua recuperação pois são necessários tratamentos de neuro-fisioterapia, terapia da fala, terapia ocupacional, hipoterapia, etc., e também diversos equipamentos para o dia-a-dia do Mateus (cadeira para banho, cadeira de rodas, cadeira de automóvel, cadeira de posicionamento, standing frame, talas para endireitar os membros, etc.), equipamentos estes que por serem muitos especiais se tornam demasiado dispendiosos e nós Pais não conseguiremos comprar algum deste material para permitir ao Mateus lutar contra esta doença e proporcionar-lhe alguma qualidade de vida, uma vez que a aquisição dos mesmos ultrapassa os vinte mil euros.
Relembro que ainda não há diagnostico para a doença do Mateus, mas vamos procurar por todos os meios que nos forem possíveis obter uma resposta mas não podemos, ao mesmo tempo, deixar de ajudar na recuperação do nosso Menino.
Por isso peço a todos os que queiram ajudar o Mateus, a vencer esta luta e a ter um bocadinho mais de qualidade de vida, que divulguem esta mensagem junto dos vossos amigos.
O seu contributo com uma “gotinha” basta para nos ajudar a criar este oceano de esperança!

Obrigada a todos por tudo o que fizeram e seguramente continuarão a fazer por nós e pelo Mateus.

Cláudia Dias Ferreira

NIB 0035 0558 00041861000 88
IBAN PT50 0035 0558 00041861000 88
BIC SWIFT CGDIPTPL

terça-feira, junho 12, 2012

Força Grandalhona

Se me é permitido opinar, em matéria que me é familiar, muito tenho a dizer depois dos comentários que li no blogue de uma Grandalhona, que nada tem de derrotista nem de não lutadora. Talvez até fosse mais correto comentar no espaço que lhe pertence, mas na realidade o que quero mesmo é que todos saibam, que ELA não é de baixar os braços e não são comentários, como os que li sem identificação, e que sou contra, a vão fazer desistir.
Somos mulheres, a quem um dia, o céu caiu em cima como se de uma trovoada incontrolável se tratasse e o pior do mundo não tivesse solução. Vivemos um dia de cada vez, sempre como uma roleta russa, mas não desistimos nunca de o fazer. Não pertencemos a ceitas, instituições ou coisas parecidas, apenas tivemos e temos cancro da mama, ou de outra coisa qualquer por consequência de um outro, ou porque sim.
Não baixamos os braços, não dizemos não à vida, lutamos e queremos viver e ver os nossos filhos crescer, independentemente do que possa existir para lá da vida. Todas sabemos que não vamos viver eternamente, mas queremos prolongar a nossa estada por aqui. Não é fácil para ninguém, mas mais difícil será se nos entregarmos sem luta.
Eu tive cancro de mama e não me era nada favorável o prognóstico até terminar os tratamentos mais agressivos e não foi por isso que baixei os braços, muito pelo contrário. As sequelas ficam, isso não podemos negar, mas muita coisa boa nos trouxe e muitas amigas e partilhas se conquistaram. Os blogues e os grupos que se foram criando são a prova evidente da força que conseguimos transmitir e o apoio incondicional e sem interesses.
Grandalhona, gostei do que li no teu último poste. Claro que não vais DESISTIR nunca, porque somos muitas a dar nessa carola.
Ao ANÓNIMO, deixo o desafio de acreditar em quem pode e quer fazer com que consigamos continuar vivas. Viver é bom, mas temos de ter VONTADE DE VIVER