terça-feira, abril 09, 2019

Amores de quatro patas

Já é de madrugada. O sono não se faz aparecer, porque a preocupação é demasiada e os sentimentos misturam-se com a dor de ver sofrer a minha amiga incondicional.
São 15 anos de muita meiguice, cumplicidade e fidelidade, que só um ser como este consegue ter.
Tudo o que possa fazer para minimizar o que possa vir a sofrer, não sei se é o suficiente e também não sei se é isso que ela quer. Tento acalma-la para que a tosse e a respiração seja mais leve, mas em simultâneo lambe me as mãos, com muito carinho, pedindo proteção.
Não têm sido fáceis estes últimos meses, mas os últimos dias estão a ser demasiado violentos para ambas. Neste momento não sei o que será melhor ...as lagrimas escorrem me na cara, tentando aliviar a dor que vai no coração.

2 comentários:

Unknown disse...

só para deixar um abraço bem apertado...
e um beijinho carregado de força...

Paula Gonçalves disse...

Não, só vivenciando esses momentos se poderá sentir o que um patudo quase com as palavras escritas nos olhos e os momentos de menos aflição quase como dizendo eu não quero ir...e tu também não queres que eu vá...uma cumplicidade extrema...quero te apenas aqui a minha beira "mãe" não quero ir porque es o meu amor maior, só esse amor é sentido e vivenciado da perto, por um patudo e uma "mãe" noites em claro, dias, mas não saias da m8nha beira.

Amores de quatro patas

Já é de madrugada. O sono não se faz aparecer, porque a preocupação é demasiada e os sentimentos misturam-se com a dor de ver sofrer a minha...