quinta-feira, julho 07, 2016

Mais uma história

Hoje eu sinto que sou capaz de tudo. Hoje por incrível que pareça eu não tenho mais nada comparado com o que vejo a minha amiga sofrer. Eu sou uma mulher que teve a felicidade de conseguir vencer apesar das sequelas e estou aqui.
É duro quando não se assume os possíveis erros e se quer sair sempre vitorioso, mesmo que isso implique a qualidade de vida de um ser humano.
Mas vais conseguir. Venha daí muito sol para uma prainha que tanto gozo te dá!!!!

quinta-feira, outubro 15, 2015

Com o cancro não se brinca!


Estamos no mês de outubro, mês em que o cancro da mama é lembrado e em que tantas são as manifestações e os eventos para lembrar a prevenção e tudo o mais que possa ser feito para que o flagelo que tanto preocupa a humanidade possa ter uma solução!
Hoje no Porto, tivemos a "Onda Rosa". Muito sinceramente, nada do que vi teve qualquer parecença com uma onda de qualquer jeito ou feitio! Mais me pareceu uma marcha de putos desvairados, super satisfeitos porque lhes foi dada a manhã para poderem desfrutar do sol e mandarem uns belos gritos, encavalitarem-se uns nos outros e fazerem monte, para encherem aquele espaço com lenços e balões e bandeirinhas de cor rosa, porque de outra forma não estaria ninguém para assistir ao que se propuseram. Muito honestamente, nem parecia uma organização da LPCC.
Apelo a quem de direito. VAMOS LÁ LEVAR ESTAS COISAS MAIS A SÉRIO.

Eu vou acreditar que não vai voltar a acontecer............

domingo, junho 28, 2015

De volta ao meu aconchego....

Nunca digas nunca!
Pois é! No início do ano, tinha tomado a decisão de não voltar a escrever neste blogue porque achava  que já nada haveria para dizer sobre estas lutas e conversas de mamas, porque é pelo nome que devemos tratar as coisas. Afinal não estava assim tão certa! Nunca vou deixar de pensar nem de falar em tudo isto e estar sempre a viver cada dia e cada momento.
Por mim pelas amigas pelas conhecidas e até pela família sem ter que ser propriamente da mama!
A última semana foi deveras a mais violenta que tive nos últimos anos! Foi de uma revolta muito grande que nem sequer me deixou verter uma lágrima, o que para mim foi muito, muito mau ao ponto de numa simples conversa com o meu médico de família, ter dado origem a um ECG  e de seguida uma panóplia de exames e análises que terei de fazer nos próximos dias. Mas espero, estar tudo bem, porque "nós os duros" aguentamos!
Vou entrar novamente na minha dura luta das juntas médicas, sim porque eu não sou de torcer, e se tenho direitos são para ser usufruídos porque são tantos os que usufruem sem sequer os terem e ainda se pavoneiam e ainda se lamentam sem medirem muitas vezes as consequências!!! 
Estou confiante porque tudo está legal e em conformidade com o que legislação requer.
Deixando tudo isto, quero-vos dizer que vou voltar a escrever neste cantinho porque é aqui que realmente me sinto bem e até porque tenho um boneco de lego personalizado que a minha filhota me fez para que me possa representar e é tudo aquilo que eu sou. 
Vontade de Viver vai continuar vivo, cada vez mais e com muitas histórias para contar.

domingo, março 01, 2015

Até ao próximo!!!

Março o mês em que tudo começa a florir e parece que a vida brota e renasce.
Março foi o mês escolhido para que Vontade de Viver chegasse ao seu final.
Março vai ser o mês em que tudo vai recomeçar e muito vai haver para contar e quem sabe até ensinar!
Obrigada a todos que me visitaram ao longo desta minha caminhada de luta, esperança, perseverança, vontade e acima de tudo, muitas e muitas amizades que vão ficar para a vida.
Vontade de Viver vai ficar aberto para quem vier e o quiser ler ou reler.

Um bem haja a todos e acreditem sempre que a vida é linda e somos nós que a temos de construir e nunca ficar á espera que a construam por nós. 

terça-feira, setembro 30, 2014

O meu "Porto ."

Hoje o dia foi mais um de muitos que não aconteciam nos últimos tempos!
Uma viagem até ao Porto pela velhinha estrada 109 com a companhia do mano.
Falámos de tudo e de nada, perdemos-nos por caminhos que sempre nos encontramos.
Cheguei cedo à cidade e palmilhei as velhas ruas da cidade por onde em tempos havia vida e tudo tinha outro sentido. A Praça da Batalha com os seus hotéis, teatros e cinemas, hoje velhos e quase abandonados!
Gostei de ver o teatro Nacional de S. João, com a sua belíssima fachada. As obras de restauração do hotel da Batalha, com a sua imponente fachada. Logo ao lado o grande Teatro da Batalha que está em ruínas e as suas escadarias exteriores servem de dormitório para tantos sem abrigo que por aquelas bandas vagueiam.
O comércio que em tempos auris era a vida daquela praça, está quase ao abandono, com as suas lojas na maioria encerradas e as que sobrevivem quase só com artigos chineses.
Ainda houve tempo para um passeio pela rua de Santa Catarina e um olhar atento para os belos edifícios que por ali ainda vão sendo conservados!

Uma tarde pelo meu” Porto .” que é sempre uma delícia visitar.

quarta-feira, setembro 03, 2014

Quando nos roubam os filhos.....................

A vida tem muitas etapas e todas diferentes. Melhores ou menos boas, vamos aprendendo cada dia que passa. Porém, há alturas em que, por mais fortes que queiramos ser, não é fácil de ultrapassar. Sabemos que os filhos não são nossos, apesar de saírem de dentro de nós!
Mimamo-los, damos tudo o que nos é possível e impossível, abdicamos por vezes de coisas às quais tanto ambicionávamos, porque para nós nada é mais importante que os filhos.
Os anos vão passando e com eles os “nossos” filhos. Tornam-se homens e mulheres de bem, adquirem os conhecimentos e a educação que lhe passámos. As etapas vão passando e avançando cada vez mais e com mais velocidade, até ao dia em estão prontos para voarem sozinhos e saberem o que querem da vida.
Hoje, ao fim de duas dezenas de anos sendo “mãe e pai” da minha princesa, não está a ser nada fácil, despedir-me dela para uma nova vida!
Foram muitos anos de carinhos, companhia e cumplicidades, que as circunstâncias da vida vão separar! Uma menina com um coração doce, meiga, amiga de ajudar e com um sorriso lindo sincero.
Mais uma, em tantos milhares, que o nosso País obriga a emigrar para que possa exercer a sua profissão com dignidade e reconhecimento. Uma vida de estudo e empenho, para ir servir em terras de Sua Majestade. Mais uma enfermeira que os Ingleses tanto querem!
Temos filhos que se esforçam, trabalham para conseguirem cumprir os seus deveres e terminar os seus cursos nos devidos prazos, com conhecimentos e aproveitamentos que os outros Países cobiçam.
Hoje, sinto uma grande revolta por ser Portuguesa e viver num País de vigaristas e ladrões que até os filhos nos roubam. Vamos ser um País de velhos e incultos, porque os jovens cheios de vontade de viver, conhecimentos e ideias de mudança, são obrigados a partir.
Hoje, eu pergunto, aos ladrões e vigaristas que se dizem democratas e governantes, porque razão os seus familiares e amigos não precisam de abandonar o País e conseguem empregos pagos a peso de ouro, na maioria dos casos sem experiência e até sem as devidas formações académicas e competências para os desempenharem.
Portugal é um País do “quarto” Mundo sem perspectivas de futuro e vendido aos alemães.

Desculpem o desabafo, mas esta é a realidade triste em que vivemos!

sexta-feira, abril 11, 2014

O céu ganhou uma estrela

Bom dia Rquelinha.
Ontem partiste para o teu lugar secreto. Partiste para o mundo que sempre defendeste e te entregaste, com muita paixão, alegria e carinho. Não foi justa a tua partida, porque ainda tinhas muito para dar e deixas-te ainda muito por fazer. Não quiseste nunca dar trabalho a ninguém, escondeste sempre as tuas dores e estiveste sempre presente nos momentos mais difíceis, de quem precisava de ti. A prioridade foi sempre os filhos e os netos. Foste uma mãe sem igual. Uma “escrava” da família, o pilar para segurar, quando tudo parecia desmoronar.  A tua voz e o sorriso inconfundível, deixam saudade a quem te ouvia onde te deste.  O coro da igreja, o Orfeão de Ovar, que sempre tão bem representaste.  O teu ar elegante e meigo que nunca passou despercebido, até os mais novos, a geração dos putos te admirava. “ D. Raquel tu “, que te chamava com uma voz meiga do alta da varanda, para ver o Kiko e mostrar as bonecas.  Porque me ouviste quando precisava de falar e porque tanta era a cumplicidade que partilhávamos.
Lutaste até ao último minuto para que a tua partida não fosse neste dia, tenho a certeza, mas o teu coração não deixou.
Tanto tenho para escrever, mas as lágrimas não deixam ver as letras. Sinto-me revoltada com a tua partida, não é justo que o maldito “CANCRO” te tenha levado.
Vou recordar sempre este teu sorriso e este olhar meigo e sofrido, as tuas rimas e os conselhos que sempre ouvi. Obrigada” D. Raquel” e não é uma despedida, mas um até já.

quarta-feira, fevereiro 26, 2014

Pesquisar antes de comprar






Não é todos os dias que temos tempo e disposição para procurar as promoções. Ontem foi dia de pesquisa pela Internet das promoções que estraram em vigor, nos hipermercados da minha cidade e fazer a lista de compras, necessárias para abastecer a dispensa.
Mais de 50% do que precisava comprar, está com desconto imediato de 50%. Hoje, depois do almoço, lá fui fazer as ditas compras. Os estabelecimentos ficam todos na mesma zona, o que faz com que a poupança seja ainda maior. Há que fazer listas separadas, com o que queremos de cada uma das lojas, para não cairmos na tentação de repetir, só porque está com desconto. Pois bem, em 82,88€ de compras, obtive um desconto imediato de 32,12€.
Foram muito rentáveis as duas horas do dia anterior e as outras duas, despendidas a fazer as compras. Podem perguntar o porquê deste texto, se é uma situação tão básica! É verdade, muito básica mas que na grande maioria, só quem tem tempo e disponível pode usufruir de uma poupança maior. Deixo aqui o desafio a todos para quando tiverem de fazer as compras da semana ou mês, perderem um bocadinho do vosso tempo na pesquisa e verão o que pouparão!

domingo, fevereiro 16, 2014

O rei está a chegar na cidade de Ovar



O sol hoje fez-se sentir, com o seu brilho e trazendo um bocadinho de calor à Praça.
Pelas ruas da cidade já se vêm os mascarados com os seus trajes coloridos e piadas para desfilarem no corso. No parque da cidade, mistura-se o verde da relva com o colorido de quem o atravessa, para a concentração de quem vai saltar e brincar nas ruas da cidade.
Suas altezas reais, vão fazer a sua apresentação pelas ruas da cidade e serão muitos os foliões que os acompanham. Os grupos de carnaval e as escolas de samba, vão fazer as suas aparições públicas, neste ano de 2014, com as indumentárias de anos anteriores, pois os que serão apresentados no domingo gordo, estão no segredo dos deuses.
Ovar é a capital do carnaval português e tudo é feito com a prata da casa. A aldeia do carnaval, um bocado fora de mão para o folião, está apetrechada de tudo o que é necessário para que a festa seja em grande e quem por estas bandas passar, vai querer voltar.
Hoje são eleitas as melhores piadas e sátiras apresentadas, geralmente aos governos e governantes. No final do corso, na Praça da República, o rei mono faz o seu discurso à plebe e está aberta a época da folia que terminará à meia-noite de terça-feira de carnaval.
Aproveitem todos os bocadinhos da vida e divirtam-se porque a música já se faz ouvir nas ruas.

sábado, fevereiro 08, 2014

Desabafos...........




A designação de “amigos” neste mundo virtual, não é muitas vezes devidamente interpretada. Ao adicionarmos uma pessoa ao nosso perfil, não implica que por ele tenhamos uma amizade tal, ao ponto de lhes partilharmos tudo o que fazemos ou dizemos. Também não quer dizer que se não incluirmos ou aceitarmos a amizade, signifique que não gostamos dessa pessoa.
Isto tudo tem muito que se lhe diga e a maioria das pessoas não sabe lidar com esta virtualidade, chegando mesmo a provocar mau estar entre pessoas e até mesmo “amigos”, por não ler tudo o que se escreve e não fazer um raciocínio lógico e correto das situações.
A mim o que mais me entristece, é o fato de as pessoas se deixarem influenciar pelas dicas e tricas, de quem aproveita o mundo virtual para se fazer notar ou provocar os outros, atirando a pedra e escondendo a mão, ou até em alguns casos, fazer dos espaço virtuais, locais de mal dizer.

Daí, voltar ao meu espaço fiel e sério, de partilha e aprendizagem, o meu querido blogue.
Aqui tudo é lido na íntegra, sem falhas de textos e palavras, só por aqui andando quem nos quer ler e comentar. Foi grande a aprendizagem e o crescimento, nestes últimos sete anos, e muitos foram os amigos que fiz, com as partilhas de escritas e fotos por estas paragens.
Os virtuais passaram a reais e aí as escolhas foram feitas, de quem eu queria que continuasse no meu mundo. São muitas as saudades dos encontros e partilhas que se fizeram. Hoje a melancolia e o tempo escuro que se faz sentir, originou este texto que partilho, na esperança que o mundo se recomponha e os dias se tornem mais alegres.
Por aqui a chuva continua a cair forte e o vento a provocar estragos, fazendo com que o mar galgue as suas margens e destrua tudo na passagem.
O Mundo está doente e carente……….


domingo, janeiro 19, 2014

Se a vida não te sorri, ri para a vida....

Nem sempre a vida nos sorri, é verdade. 
Quantas e quantas vezes, ela acorda tristonha e assim permanece? 
Quantas e quantas vezes, nos aborrecemos por ver que a vida não anda, nem desanda, e não muda aquela cara triste que insiste em manter? 
Quantas e quantas vezes não dizemos “ Raios partam a minha vida”, e damos um pontapé zangado no primeiro objecto que nos aparece? 
E quando paralelamente à vida que acorda tristonha, também nós acordamos com um humor daqueles, em que refilamos com tudo e todos, não sorrimos para ninguém, pomo-nos carrancudos e com cara de que toda a gente nos deve e ninguém nos paga. 

Fechamos as portas do nosso mundo, e enclausuramo-nos envoltos numa infelicidade muitas vezes inexplicável e sem qualquer fundamento para existir. Já não é só a vida que está cinzenta, também nós estamos cinzentos. E cinzento com cinzento dá um cinzento mais escuro. Não pode ser! Porque se paralelamente à vida que acorda tristonha, se nós acordarmos felizes e sorridentes, cheios de força e energia para lutar contra este mundo e o outro, e se enfrentarmos os problemas com optimismo, a vida vai ficar cheia de inveja por nós estarmos coloridos, e muda logo de cara. Ponho o maior sorriso que tenho, visto de verde, amarelo, ajul e vermelho. Saio para a rua e soprrio para a vida.

sexta-feira, janeiro 17, 2014

Tanorexia

Hoje em mais uma das minhas pesquisas pela internet, encontrei um artigo a falar dos viciados pelo sol
Mais concretamente pela cor morena acentuada do seu corpo.
Santa ignorância a minha!!! Nunca me passou pela cabeça que o sol também fosse causador de uma doença adita. Deixo aqui o artigo que encontrei para que possam ler.

Tanorexia

Se gosta de estar sempre morena, torra ao sol no verão e, no inverno, enfia-se no solário, pode ser que sofra de tanorexia.

A tanorexia, segundo explicam os especialistas, é mais comum em pessoas com baixa auto-estima, que dão muita importância à sua imagem e que sofrem de ansiedade. São vários os sintomas que podem indicar a sua presença e que devem merecer particular atenção.

Os principais sinais desta doença são:
- Perda de controlo ou exposições descontroladas ao sol e aos solários.
- Ansiedade quando se olha ao espelho e vê uma cor de pele indesejada.
- Síndrome de abstinência, se não puder apanhar sol num dia, associada a sentimentos de irritação, desilusão, deceção e ira...
- Comparação com os amigos para ver quem é que está mais bronzeado. As pessoas com tanorexia sentem uma grande frustração se os outros estiverem mais bronzeados que elas.

Sabia que, em países com menos sol, os índices de depressão são maiores? Isso ocorre porque a luz solar, artificial ou não, estimula a produção de endorfinas, hormonas que conferem um efeito relaxante e de prazer.

terça-feira, janeiro 07, 2014

Cantar os Reis, na minha cidade



Ontem foi dia de Reis, último de uma época festiva que na minha cidade se vive intensamente.
Mais uma vez, fui ver cantar os Reis. Este ano, o local foi diferente e o sabor não foi tão intenso como habitualmente. Pelo Salão Nobre, dos Paços do Concelho, passaram todas as trupes, num total de 16 (dezasseis), compostas por homens e mulheres de várias idades, estratos sociais, formação e tudo o mais que queiramos para fazer distinção, mas que são apenas Reiseiros, com uma grande boa vontade e carolice, se aventuram a andar pelas ruas, nestas noites frias e chuvosas de inverno.
De há uns anos a esta parte, o meu pouso para os ouvir cantar, tem sido o velhinho Café Ideal, onde o carinho e a carolice dos espetadores, dão um sabor muito especial a quem por ali passa, sempre com um sorriso nos lábios e uma vontade grande de partilhar as suas músicas, com uma tradição secular. Este ano, troquei o café pelo Salão Nobre, mais impessoal mas não menos agradável, porque as companhias que se agruparam foram muito boas.
Gostei de todos no geral, mas mais de alguns em particular. Por muito que queiramos, temos sempre os nossos favoritos, por isto ou por aquilo, ou até porque os amigos mais chegados neles participam. Foram quase cinco horas de cantares que me aliciaram os ouvidos e me confortaram a alma. Parabéns a todos por não deixarem morrer esta tradição única na cidade de Ovar e por a terem levado a outras cidades deste País.
Ovar, cidade museu do azulejo, também será reconhecida um dia quem sabe, com a sua secular tradição Reiseira!

segunda-feira, dezembro 30, 2013

Nós, os duros............!!!!!!!!



Não estava nos meus planos de terminar o ano de 2013, a ouvir falar de cancro, mas isso acabou por acontecer, ao ouvir o jornal da noite na SIC. Um programa sobre o IPO de Lisboa, que retrata o que é a vida no hospital, de um doente oncológico, antes, durante e depois dos tratamentos.
Revivi tudo que passei há sete anos, tudo o que senti, as dúvidas todas que tive, as incertezas de quem me rodeava, o que senti pelos familiares e amigos e fundamentalmente, o apoio e o empenho incondicional dos profissionais de saúde
Os duros, como somos designados, nós sobreviventes de cancro, continuamos sempre com um frio na barriga a cada consulta de rotina, mesmo depois de tratados porque nunca nos é dito que estamos “curados”.
O voltar ao hospital, apenas por voltar, não é por acaso que isso acontece. Sentimos necessidade de ajudar quem lá está e sabemos tão bem, o quanto custam todos os momentos que por lá andamos!
Afinal, não somos assim tão duros, quanto nos querem fazer parecer! Somos pessoas, com muitos sentimentos que se aprofundam, devido às circunstâncias. Nunca mais voltamos a ser iguais, porque as sequelas com que ficamos, físicas e psicológicas, levam-nos a ser diferentes.
Bem-haja, quem nos continua a tratar, e muitas vezes bate o pé perante as burocracias com que se deparam, para exercer a sua profissão condignamente, de alma e coração.   
Obrigada aos profissionais de saúde, do Hospital de S. Sebastião.